terça-feira, 19 de julho de 2011

Não quero olhar para trás, lá na frente, e descobrir quilômetros de terreno baldio que eu não soube cultivar...


"...Não sei exatamente em que momento comecei a despertar.
Só sei que comecei a desejar menos entender de onde vim e a desejar mais aprender a estar aqui a cada agora.
Só sei que descobri que a solidão é estar longe da própria alma.
Que ninguém pode nos ferir sem a nossa cumplicidade.
Que, sem que a gente perceba, estamos o tempo todo criando o que vivemos.
Que o nosso menor gesto toca toda a vida porque nada está separado.
Que a fé é uma palavra curta que arrumamos para denominar essa amplidão que é o nosso próprio poder..."

8 comentários:

• cláudiasofiagomes disse...

pois é querida, mais vale!

Maggie disse...

não dá mesmo. e a felicidade está em nós, nos nossos actos, nas pessoas que estão no nosso coração e não no que a sociedade diz :)

angel red disse...

Que texto profundo. Lindo. Adorei!!!
Obrigada pelas constantes visitas ;)
Bjks

нєllєи Cαяoliиє disse...

Rô,
Que pensamento lindo da Ana!
Que seja assim,lindo e intenso esse constante aprendizado ;)
Saudades daqui!
Um beijo,Querida!

Natália Rocha disse...

'Só sei que comecei a desejar menos entender de onde vim e a desejar mais aprender a estar aqui a cada agora.'

Entendo tanto isso.
Eu preciso viver e aprender a querer só o agora, entender e querer respostas pro depois, pro que ainda não veio só traz angustias.


Rô, querida!
Nossa!Que bom que vc conseguiu acessar o meu bloguito!
Menina, hoje resolvi enlou-crescer e mudei o nome do blog, rs
Mudei o endereço também, mas deu algum problema, não aparece mais minhas atualizações no painel, então fica visitando pra ver as postagens tá =/

beeijo, Rô!


Sempre bom vir aqui te ler!

Carla disse...

tens de carregar na palavra. :)

inêsf. disse...

podes crer, ás vezes faço trinta por uma linha para me entender a mim .

ღ Sensitivity ღ disse...

Também não quero olhar para trás e perceber que não vivi tudo que podia. Beijinhos.